Gostar é uma merda!

Olhe em sua volta, se não precisar olhar pra si mesmo para entender do que estou falando.
A grande maioria que já teve uma decepção amorosa dificilmente pretende se envolver com alguém novamente. Porém, pretendendo ou não, isso vai acabar acontecendo mais cedo ou mais tarde.
Fazer o quê ? Nem sempre podemos escolher…
A vida se encaminha de colocar em nosso destino pessoas que julga serem importantes para o nosso crescimento e a “juntar” pessoas com os mesmos ideais, que pensam da mesma forma e são por vezes parecidos.
A situação é a seguinte:
Pensa em uma pessoa que tem os seus “rolinhos”. Fica com uma aqui, outra alí, mas embora elas queiram, não tem nada sério. Relacionamentos sem rótulos, sem denominações, apenas casos, rolos e afins.
Aí, dentre tantas pessoas legais, sem pedir por outra melhor, embora todo mundo precise ter alguém e queira alguém perfeito ao lado, a vida se encaminha de por ao lado desta pessoa uma pessoa que chama mais atenção do que as outras. Passam a manhã inteira conversando ao ponto de perderem a noção da hora e quando olham para o relógio já é hora do almoço… O papo flui naturalmente. Não precisam arrumar desculpas para se falar, porque assunto não há de faltar… Descobrem que gostam das mesmas coisas, curtem as mesmas músicas, as mesmas “baladas”, não tem frescuras e se tratam da forma mais natural possível… Sim, porque eles sabem que podem ser eles mesmos, sabem que não precisam impressionar, já estão impressionados!
Mas o medo toma conta da situação.
Todo mundo que já se decepcionou uma vez fatalmente não quer se decepcionar de novo. Eles tem medo de se envolver, de gostar, de sofrer, de não ser correspondido e de acabar gostando e querendo mais disso tudo do que a outra pessoa.
Eles sabem que vão acabar ficando juntos e dane-se as outras pessoas que estão ao lado neste momento. Sabem que tem tudo pra dar certo. Mas talvez a amizade tenha um valor maior e o medo de estragá-la pode acabar protelando uma coisa tão bonita que poderia acontecer na vida dos dois.
O que fazer ?

Como diria Willian Shakespeare:
“Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o bem que às vezes poderíamos ganhar pelo medo de tentar.”

“Faça o que eu falo, mas não faça o que eu faço” – o moralismo.

Há alguns anos atrás, ouvi uma frase provinda de meu querido progenitor, meu pai, ao qual compartilho com vocês agora:
“Faça o que eu falo, mas não faça o que eu faço”
Esta, sem dúvida, é uma das mais interessantes frases que já ouvi em toda minha vida e que muitos de vocês provavelmente já tinham escutado antes.
O que muitos chamam de “cuidado” eu chamo de “cuidar da vida alheia”.
Existe uma grande diferença entre cuidar da pessoa que você gosta, quer bem e cuidar da “vida” e dos “atos” dela.
Bom, vamos desenhar:
Cuidar de uma pessoa, é você estar presente, é ficar ao lado da pessoa mesmo que ela esteja errada, ajudando-a a encontrar uma melhor solução. É você ouvir os problemas dela, mostrar os caminhos que ela tem para escolher para sanar o problema (entenda, não é falar o que a pessoa tem que fazer, impor… é mostrar os dois ou mais lados da história e deixar que ELA ESCOLHA o que é melhor para ela).
As pessoas confundem muito as coisas.
Usam a frase “quem está de fora enxerga melhor” para fundamentar o porque “fazer desta forma é melhor”.
Porém, só quem está na pele sabe a qualidade do problema.
Você mede a qualidade de seus amigos pelo tempo que eles passam se preocupando por você. Dizer que “vai ficar tudo bem” e pedir para ter “calma” não é a forma mais indicada de ajudar e de cuidar.
E quando não sabemos como ajudar?
Às vezes, nós mesmos queremos ajudar alguém porém não sabemos como e nem por onde começar.
O melhor, é sentar com a pessoa e tentar enxergar juntas as opções que se tem para sanar o problema.
Volto à dizer: Não é DIZER O QUE A PESSOA TEM QUE FAZER ou INDUZIR que ela haja de determinado jeito. É simplesmente mostrar o lado positivo e negativo, e as diferentes formas de sanar o problema. A PESSOA QUE VAI ESCOLHER COMO PROCEDER.
Se ela errar na escolha, paciência! Mas ela estará errando por mérito próprio e você estará ao lado dela, mesmo sabendo que ela está errada, apoiando no que for preciso. Isso é cuidar de quem queremos bem.
Agora vamos virar o outro lado da moeda…
Existe ainda pessoas que gostam de “cuidar da vida alheia”. Pessoas que não se satisfazem nem com animais de estimação, nem com suas bonecas barbies. Querem mais! Além de impor o que a pessoa tem que fazer, ainda julga seus atos como se aquilo fosse o fim do mundo!
“Porque você fez isso? porque você bebeu deste jeito? Nossa! Você cada hora gosta de uma pessoa diferente! Você não sabe o que quer… Se fizer isso vai se dar mal… Tá andando com as pessoas erradas”… e suas variáveis…
Uma das piores coisas do mundo é ouvir uma pessoa “moralista” falando. Eles acham que são os donos do mundo. Manda e desmandam, ficam horrorizados com nossas atitudes, ações e com as coisas que a gente diz e pensa…. Só que quando vamos parar para analisar, descobrimos que esta mesma pessoa faz igual ou pior.
Aí entra a frase “Faça o que eu falo, mas não faça o que eu faço”.
Querem impor o que temos que fazer, querem nos enquadrar na sociedade que “acham” ser o ideal, querem nos recriminar pelo que falamos e ditar regras para seguirmos…. enquanto isso….
O importante, volto a dizer, é fazer as coisas do seu jeito. Insisto nisso, porque gente pra falar tá cheio por aí… Dane-se o que as pessoas vão falar, vão achar, faça apenas o que achar certo e junte-se a pessoas que cuide de você.
É fácil falar que não é certo e por trás fazer pior.
Lembre-se sempre: Ninguém joga pedra em árvore que não dá frutos!
Se estão te metralhando com “tá errado, faça isso, fale aquilo” é porque fatalmente sabem do seu potencial e que você é uma forte candidata a se destacar… e cai entre nós, este tipo de pessoas gostam de ser o centro da atenções, logo…!

Tem gente que acha que sabe viver…

Tem gente que acha que sabe viver…
Vamos começar do começo:
Há pessoas que acordam de manhã (praticamente sempre atrasadas), vestem o que vêem pela frente, correm pro trabalho (já chateados por assim estarem), trabalham o dia todo, voltam pra casa, assistem novela e dormem. Padecem na própria vida, enquanto há um mundo lá fora.
Não vivem, apenas existem.
Daí, você acorda cedo, escolhe sua roupa, passa, coloca, vai pro trabalho, sai do trabalho, toma sua cervejinha com a galera, chega bebáááássa em casa (lá pelas duas da manhã) deita e dorme para trabalhar no dia seguinte. Se vira e diz: EU SEI VIVER!
Ah sabe? Como?
“Não vivo só para trabalhar. Todas as brechas que consigo eu me junto com a galera, sento para beber uma cervejinha, me divirto, uso o dinheiro que ganho para viver, para me distrair, eu sei viver!”
Pois é, eu já cheguei a pensar assim…
Que viver era isso aí…
Teve um tempo em que eu sabia viver.
Foi do meus 13 aos meus 16 anos. Conheci diversos lugares, viajei, viajei, viajei, conheci gente nova, aprendi a me portar diante de qualquer tipo de pessoa e situação, vivia sem me importar com o que os outros íam pensar, sem me preocupar com relacionamentos, com dinheiro, com contas para pagar (e já as tinha!), mas passou… O tempo, as circunstâncias, e os amores chegaram em minha vida e me fizeram perder a essência que eu acabei reconquistando aos 19 anos… Mas que eu tornei a perder e passei a reconquistar a poucos meses.
Infelizmente, ninguém entrega um “manual da vida”.
Cada pessoa tem sua receita pessoal… Escuta daqui, escuta dali, você acabará percebendo que cada um vive a vida a seu modo, do seu jeito, e no final, bem ou mal, são felizes.
Viver é Experimentar!
É ir ao céu e ao inferno com intervalos de segundos.
É conhecer pessoas novas todos os dias, observá-las aprender com elas, porque cada um é de um jeito, tem suas particularidades e pode nos ensinar alguma coisa.
É ir à uma festa na “quebrada” e no dia seguinte ir à uma festa de socialite.
É conhecer pessoas de tudo quanto é tipo, classe, cor, credo. É aprender a observar as coisas, sentir os cheiros, perceber as cores.
VIVER é chegar ao mesmo lugar todos os dias por caminhos diferentes…
É experimentar novas coisas, novas situações.
Viver é não ter medo de tentar, de ir adiante quando tudo parece estar perdido, é lutar pelo que se quer é se impor não se importando com o que os outros vão achar, é ter noção da vida, do que é certo e do que é errado e fazer do errado uma coisa tão boa que de vez enquando errar será maravilhoso!
É proporcionar a si mesmo sensações de constante satisfação e aos outros reações jamais vista e sentidas… É estar em constante mutação!

 

Faça apenas o que seu coração manda…

e a razão?
onde entra a razããããão, nesta história?
É, hoje em dia é complicado ver alguém que não faz algumas coisas por impulso… e quando viu, Pluft! Já ligou, já falou, já xingou, já correu atrás… Já demonstrou…
À partir dai, é só aguentar as consequências que, nem sempre, são agradáveis e doces como planejamos.
Planejar! Ta aí uma coisa que eu discordo em gênero, número e grau… Já percebeu que toda vez que planejamos alguma coisa ela tende a dar errado com 80% mais força do que se não tivéssemos planejado? Chove, derrubamos coisas, perdemos as chaves, não encontramos roupa…
Vivemos desesperadamente num planeta absurdo que é o nosso EU interior… Vivemos em prol do que chamamos de “a gente”, fazendo todas as nossas vontades a medida que elas surgem como se fossemos eternas crianças mimadas que vamos continuar abrindo o berreiro a cada NÃO que nos dermos…
E por não conseguirmos dizer NÃO a nós mesmos, por correr atrás e fazer acontecer, digo, e por TENTAR fazer o que queremos, acabamos esquecendo da razão e agindo com o coração/barra/emoção.
Então, em resumo, fazer apenas o que o coração manda é uma falta grave que tira a sua permissão para ultrapassar seus próprios limites, concorda?
Be-le-za… vamos combinar, então:
Continue agindo com a sua essência (aquela mais pura e verdadeira), demonstrando seus sentimentos mais sinceros, valorizando o que há de melhor na vida e nas pessoas, com inteligência e sabedoria para distinguir o que é certo e o que é errado e se você “SE DER” alguns minutos para analisar SE, sua próxima ação causará uma reação positiva ou ainda mais negativa do que já se encontra, você poderá sim fazer o que seu coração mandar.

Aquela historinha do “pior que tá não vai ficar”. Pior que está pode SIM ficar… E nem me venha cair na outra história de que “Tudo é remediável, tudo tem conserto, pra tudo tem jeito” (e suas variáveis) porque também é conversa!
Por mais jeito que tenha, você até lá, já terá deixado MARCAS na situação e nas pessoas envolvidas, e por mais remédio que tenha, volta e meia aquilo TÃO REMEDIÁVEL voltará na mente da pessoa adversa, trazendo sentimentos como mágoa, o que você não quer que aconteça, né?
Por melhor que sua ação possa parecer, por mais positiva que você seja ao ponto de achar e até ter certeza de que causará um bom efeito, PARE e reflita no depois… Depois de agir, como será? o que vai mudar? e se der errado, como ficará o seu relacionamento com esta pessoa? Vai poder continuar falando com ela normalmente como sempre fez ou ficará com vergonha e sem jeito? Pense… Reflita… Coloque mais uma rotina em sua vida que é a de “enxergar adiante”, no futuro… vendo as 32 mil possibilidades de ocorrências pós-fato… Se conseguir ver remédio em caso negativo, e felicidade em caso positivo, HAJA! AVANTE! ADIANTE! FAÇA!
Faça sempre e apenas o que seu coração mandar, mas lembre-se de usar a outra metade da sua essência, que é a sua inteligência para ponderar seus atos para não continuar tornando-os impensados…
Errar é humano, mas persistir no erro…
Pense nisso!

Experimente…

A vida é uma só, devemos viver EXPERIMENTANDO…
Há pessoas que trabalham em empresas boas, estão bem e provavelmente se perpetuarão a continuar por lá até os últimos segundos de sua existência…
Legal! Concordo que hoje em dia arrumar emprego bom não é fácil, e que quando nos identificamos com um determinado lugar devemos nos “manter” por lá…
Mas ainda vivo com a teoria de que devemos aproveitar ao máximo, experimentando coisas, situações,  momentos e lugares novos a cada dia.
Isso significa que não devemos deixar a rotina reinar, JAMAIS!
Devemos viver cada dia de uma forma diferente…
É como se todo dia você voltasse do trabalho para casa, porém fazendo um percurso diferente por dia…
Num dia você vem pela rua de cima, no outro pela rua debaixo, no outro vem de carro, no outro a pé, no outro desce em um ponto antes, no outro em um ponto depois… e assim vai…. Fazer as mesmas coisas mas sempre de formas diferentes, experimentando…
Desta forma, você conhecerá sempre novas pessoas, novos lugares e o que é melhor: verá coisas diferentes acontecendo ao mesmo tempo!!!
Está trabalhando numa empresa legal? ÓTIMO! Quer melhor momento para você folhear revistas e fazer uma lista das empresas dos seus sonhos? Mande currículos, faça entrevistas! Você estará despreocupado, calmo, afinal já está empregado… e se a oportunidade surgir, vá!
Não se perpetue em situações, não se perpetue com pessoas, com trabalhos, faça tudo do seu jeito, faça tudo diferente!
Sua namorada é a melhor pessoa do planeta ? Não traia! Se trair, algo não está completo e talvez ela não seja a melhor pessoa do planeta, mesmo que você arrume justificativas para tal ato… Não importa! Não se perpetue nem nesta questão… Não viva achando que a pessoa que está contigo é a melhor e que não existe vida inteligente depois dela. Pense em você! No que é melhor para você!
Quantas vezes você já namorou e achou que morreria pela pessoa e que outra melhor não havia de achar? Pois é… e se só namorou uma pessoa até hoje, parabéns!
Mas lembre-se que “estar acostumado” é não querer aceitar que você pode mudar o rumo de tudo e que você merece o melhor!
Reveja seus conceitos, crie novas oportunidades e…
Lembre-se sempre que o que é bom pode ficar ainda melhor!!!